Explicação: os pronomes indefinidos “qualquer” e “nenhum” têm significados bem distintos; e, apesar de serem utilizados na linguagem informal e aleatoriamente (um pelo outro), não podemos atribuir-lhes, na linguagem formal (culta), o mesmo significado. Vejamos o uso correto e diferenciado de ambos:

a) Qualquer – este pronome “qualquer” ou “quaisquer”, no plural, não tem sentido negativo. Usamo-lo para generalizar uma situação; isto é, para designar pessoas ou coisas sem especificá-las; portanto, neste caso, não pode ser substituído pelo pronome “nenhum”.

Exemplos: – nestas Questões Gramaticais, não escrevemos qualquer exemplo que não faça referência ao respectivo texto;

                  – não se deve tomar qualquer remédio sem prévia consulta médica.

b) Nenhum – este pronome refere-se a algo que esteja faltando. Normalmente, precede a um substantivo ou pronome com uma partícula negativa.

Exemplo: – com vontade e decisão, nãonenhum obstáculo que não se possa transpor;

               – o objetivo primordial de nosso estudo é divulgarmos a Arte de Escrever Bem e, assim, não deixarmos nenhuma dúvida quanto à forma correta de expressão.

Nota: o pronome indefinido “nenhum”, apesar de ser antônimo de “algum”, pode ser usado com o mesmo sentido deste, em orações negativas e após um pronome ou substantivo.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Exemplos: – “eles não cometeram nenhum equívoco” ou “eles não cometeram algum equívoco”;

                  – “o advogado não apresentou nenhum embasamento jurídico em sua petição” ou “o advogado não apresentou algum embasamento jurídico em sua petição”.

Todavia – curiosidade linguística -, se o pronome indefinido “algum” vier anteposto ao sujeito (substantivo ou pronome), a sentença assumirá sentido afirmativo, e, se posposto ao sujeito, sentido negativo.

Vejamos, nesta razão de ser, e pelo mesmo exemplo, o pronome “algum” assumindo os dois sentidos (positivo e negativo):

Exemplos: – alguma razão me fez mudar de ideia (sentido afirmativo);

    – razão alguma me fez mudar de ideia (sentido negativo).

Para refletir: “A melhor maneira de aprender a desculpar os erros alheios é reconhecer que também somos humanos, capazes de errar talvez ainda mais desastradamente que os outros” – Chico Xavier.

 

Antonio Nazareno Favarin Antonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.
---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.