INFINITIVO PESSOAL E IMPESSOAL

Explicação: um dos temas que geram muitas controvérsias na fala e escrita é o uso do infinitivo pessoal (que é flexionado) e o impessoal (que não é flexionado).

Vamos, nesta página, dirimir, de forma concisa e precisa, os casos mais duvidosos e polêmicos deste tema, sabendo-se que seu uso segue, na maioria das vezes, tendências linguísticas e não a regras.

Os comentários e exemplos expostos abaixo expressam o consenso dos nossos gramáticos.

  1. Infinitivo flexionado – a regra básica de o infinitivo flexionar-se é quando o seu sujeito e o (sujeito) do verbo principal forem diferentes.

Exemplo: – todos (nós) cremos serem os convidados (eles) pontuais (e não “ser”);

                     – rogamos-lhes (nós) o obséquio de não chegarem (vocês) atrasados (e não “chegar”).

  1. Infinitivo não flexionado – não flexionamos o infinitivo quando:
    a) os dois sujeitos forem iguais                           .

Exemplo: nessa ocasião, comprometeram (eles) permanecer (eles) calados   (e não “permanecerem”).

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

b) o infinitivo for usado com verbos pessoais, porém, de forma impessoal.

Exemplos:  – é proibido fumar (e não “fumarem”);

– é necessário haver boas lideranças (e não “haverem”).

c) utilizamos uma locução verbal.

        Exemplo: todos os candidatos estavam presentes, aguardando ser chamados (e não  “serem”).

d) enfim, não flexionamos o infinitivo antecedido de preposições.

          Exemplos: – devemos fazer nossa reforma íntima para evoluir (e não “para evoluirmos”);

                           – deixamos de nos aproximar daquele local (e não “de nos   aproximarmos”);

                           –  fomos aconselhados a sair cedo (e não  “a sairmos”).

Nota: frisamos que, na dúvida de flexionarmos ou não o infinitivo, sigamos a eufonia e a clareza que, em muitos casos, prevalecem sobre seu uso.

______________________

Reflexão: “A caridade é um exercício espiritual… Quem pratica o bem coloca em movimento as forças da alma” – Chico Xavier.

Antonio Nazareno Favarin Antonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.
---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.