Nesta legião de milhares e milhares de espíritos ainda necessitados da encarnação/desencarnação, são todas iguais ou cada uma é diferenciada por fatores de conhecimento espiritual, ou melhor, merecimento?

Além destes existem outros fatores a que vem fortalecer a assertiva de que todo espírito traz em si o germe da sua idoneidade onde falará mais alto as virtudes e/ou vícios por ele alimentados.

Neste capítulo, vamos adquirir maior atenção quanto à desencarnação de Dimas, um dos espíritos que está sendo monitorado pela equipe onde André Luiz faz parte, relatado por ele no livro: “[amazon_textlink asin=’B00KDLKC86′ text=’Obreiros da Vida Eterna’ template=’ProductLink’ store=’637811346279′ marketplace=’BR’ link_id=’d94a2dfc-4147-11e7-8ade-9b599e0a00a1′]”, pelo lápis do saudoso médium Chico Xavier.

Vamos atentar aqui aos pormenores dessa desencarnação que uma maioria não se lembra ou faz questão de não analisar.

A equipe espiritual liderada pelo assistente Jerônimo se encontra na residência de Dimas cujo estado era gravíssimo.

A sua esposa que ficara ao seu lado constantemente estava sendo o empecilho maior para que houvesse um desencarne sem maiores problemas ao moribundo.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

O composto orgânico de Dimas era dos piores. O coração trabalhava com dificuldade. O enfraquecimento atingira o auge. Era preciso urgentemente libertá-lo do corpo físico. Mas antes, vamos saber o que Jerônimo fez para agilizar o processo desencarnatório. Vejamos:

“Precisamos fornece-lhe melhoras fictícias (…) tranquilizando os parentes aflitos. A câmara está repleta de substâncias mentais torturantes”.

É de se considerar que esta tática de “melhoras fictícias” é feita na grande maioria dos casos sem que os parentes e amigos, notem a participação.

Sentindo-se melhor, pediu que a esposa fosse descansar em outro aposento da casa. E assim, teve condições de fazer uma prece ao Senhor da Vida… Eterna pedindo a presença da sua mãe nestes últimos momentos no corpo físico. E ele foi atendido.

É de se saber que Jerônimo fixou em três regiões fundamentais do corpo físico de Dimas com extremo cuidado nos serviços de desencarne, aqui anotada em outra citação. Vejamos:

“… a primeira é o centro vegetativo, ligado ao ventre, como sede das manifestações fisiológicas; o centro emocional, zona dos sentimentos e desejos sediados no tórax e o centro mental, mais importante por excelência situado no cérebro”.

Ministrando energias magnéticas sobre o plexo solar, desatava, assim, os laços que localizam forças físicas. Certa porção de substância leitosa começou então a sair do umbigo pairando em torno do corpo físico. Dimas soltou um gemido onde os parentes o rodearam.

Outro fato importante André Luiz observou:

“Concentrando potencial de energia no cérebro, Jerônimo quebrou alguma coisa saindo em seguida uma brilhante chama que transformou-se numa maravilhosa cabeça”.

Era o espírito de Dimas sendo desligado em definitivo do corpo físico. Elevando-se do corpo, seu espírito assegurava diferentes átomos na nova dimensão vibratória.

Vale relembrarmos que não há encarnação/desencarnação iguais segundo, claro, o merecimento de cada um segundo suas obras.

Compreendeu Leitor Amigo?

Aécio Emmanuel César

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.