Caros todos, é muito comum ouvirmos nossos confrades e confreiras falarem dos resgates, na forma de provas e expiações, carmas, etc., como se fossem a única forma possível de reajuste com as Leis Divinas.

Criou-se uma verdadeira panaceia em torno do sofrimento, como o derradeiro caminho para a redenção de nossas faltas.

É certo que a dor pode ser a mestra por excelência para nosso desenvolvimento, tanto intelectual quanto moral; mas, não podemos olvidar que é igualmente certo que existem duas maneiras para voltarmos a nos harmonizar com a Lei: provas e expiações (a via da dor) ou por meio do amor (a via da caridade).

amor

Isso mesmo, a Misericórdia Divina pode dispensar da Lei, conforme a conduta do Espírito encarnado, quando o homem já demonstre expressões do “amor que cobre a multidão dos pecados”…

Mas parece que teimamos em admitir somente a primeira; embora, desde a introdução da Codificação Espírita, muito tem sido escrito a respeito desta segunda forma.

Outro dia, pensando a respeito, ficamos curiosos em saber se somente com o advento da Terceira Revelação o homem “descobriu” a via do amor.

Sem delongas, fomos verificar se na revelação anterior Jesus já nos houvera instruído a respeito.

Nossa primeira constatação positiva veio através da Primeira Epístola do Apóstolo Simão Pedro, onde encontramos, curiosamente, a frase acima citada:

mas, sobretudo, tende ardente caridade uns para com os outros, porque a caridade cobrirá a multidão dos pecados”. (1Pe, 4:8)

Trata-se de um verdadeiro incentivo a esperança e a fé, para todos aqueles que erraram, uma vez que nos explica que não é somente através das provas e expiações, isto é, dores e dificuldades, que resgatamos nossas faltas pretéritas, como comumente é interpretada a Lei da Ação e Reação, por muitos espiritualistas e Espíritas.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Simão Barjonas, mesmo sem ser Espírita, já compreendera que a caridade, isto é, a prática do amor, é capaz de “cobrir a multidão dos [nossos] pecados”. E, não deveríamos estranhar este fato, pois também constatamos que o Nosso Senhor Jesus Cristo já houvera passado esta fórmula há dois mil anos, por ocasião de sua passagem aqui neste orbe.

Para citar um exemplo, podemos encontrá-la na oração que Ele nos deixou, o Pai Nosso; no seguinte trecho:

E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como também perdoamos aos nossos devedores”Jesus Cristo

perdao

Outra passagem pode ser encontrada no capítulo 20 do Evangelho segundo João:

Se perdoardes os pecados de alguns, {os pecados} lhes são perdoados; se retiverdes de alguns, estão retidos.”(Jo, 20:23)

Mais um motivo para pensarmos com muito carinho sobre a prática do bem… Obviamente não por interesse, mas como forma de anularmos os resgates programados que até desconhecemos (por não lembrarmos…).

Fiquem na PAZ que o Cristo de Deus nos deixou!

Fabio Alessio Romano Dionisi

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.