ARTE DE ESCREVER BEM

“Onde” ou “Em Que”? por Antonio Nazareno Favarin

Comentário: “onde” e “em que” estão corretas. O que devemos observar é, apenas, sua aplicação. Em linguagem formal e cuidada, o uso dessas duas formas é bem diferente.

Onde – é um advérbio (*) de lugar e é usado só com verbos que indicam permanência.

Exemplo: “minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá” – Gonçalves Dias (1823-1864).

O verbo “cantar”, na frase acima, não indica movimentação. Assim como os verbos: encontrar, morar, estar, ser, ficar etc.

 (*) advérbio – é uma classe de palavras invariáveis, cuja função é acompanhar e modificar um verbo, um adjetivo ou outro advérbio, exprimindo-lhe tempo, lugar, dúvida etc. – daí o nome ad-vérbio = palavra que lhes antecede e está próxima.

Em que – essa expressão é usada nos dois casos: em frases indicando permanência, substituindo o advérbio “onde” e em textos sem referência a lugares.

Exemplo: assisti ao vídeo, no youtube, de 09 minutos, em que o médium José Raul Teixeira fala sobre a origem do batismo (aqui, sem referência a lugares).

  1. “Atender o doente” ou “Atender ao doente”?

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Correto: atender o doente.

Comentário: o verbo “atender” é transitivo direto e indireto.

Para pessoas, prefira a regência direta (atender alguém).

Exemplo: o médico atendeu o doente.

Para coisas, use a regência indireta (atender a/ao).

Exemplo: Allan Kardec atendeu ao chamado da Espiritualidade Superior para codificar o Pentateuco, as 5 obras fundamentais do Espiritismo: “O Livro dos Espíritos” (1857); “O Livro dos Médiuns” (1861); “O Evangelho Segundo o Espiritismo” (1864); “O Céu e o Inferno” (1865) e a “Gênese” (1868).

  1. “Puz” ou “Pus”?

Correto: pus, com “s”. (A palavra “puz”, com “z”, não existe na Língua Portuguesa).

Comentário: “pus” (*) é a 1ª pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo do verbo
“pôr”, originário do latim: ponere = depositar, botar.

Exemplo: eu pus toda minha fé em Deus que me traz harmonia, paz e bem-estar.

(*) O termo “pus” pode, também, significar um substantivo, que é um líquido amarelado formado de infecções, e tem como sinônimos: “supuração”, “purulência”.

Nota: na língua, somente os verbos que têm “z” no infinitivo deverão ser conjugados com “z”, assim como os verbos “dizer”: diz; “fazer”: fiz; “trazer”: traz etc.

O mesmo acontece com os verbos sem “z” no infinitivo: esses devem ser escritos com “s”, como o verbo “querer”: eu quis, tu quiseste, ele quis, nós quisemos, vós quisestes, eles quiseram.

 

Antonio Nazareno FavarinAntonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.
---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

2 Comentários

clique aqui para deixar um comentário

  • Obrigado, Gilberto, pelo apoio.
    Você é muito gentil.
    Um abraço e que o ano de 2018 seja para você e um ano de muita prosperidade em todos os sentidos.
    Antonio.