ARTE DE ESCREVER BEM

OBRIGADO ou OBRIGADA? POR ANTONIO NAZARENO FAVARIN

“OBRIGADO” ou “OBRIGADA”?

Explicação: o adjetivo “obrigado”, expressando um agradecimento, gera muitas dúvidas quanto à sua concordância, à maioria da população brasileira.

Esse adjetivo deve, sempre, estar em harmonia ou de acordo com o gênero e número do emissor, ou seja, com a pessoa que emite o agradecimento: se homem, deve agradecer dizendo “obrigado” e, se mulher, “obrigada”.

Exemplos:   – Cristina agradeceu-me, dizendo: “muito obrigada”, pai, pelas  tantas e preciosas dicas referentes à nossa Língua Portuguesa”;

– Michele e Marina disseram aos seus sogros: “muito obrigadas”, dona Myriam e senhor Antonio, por esses lindos presentes”;
– “obrigado, mãe”, disse Rafael ao ser, também, presenteado;
– “muito obrigados”, vovô e vovó”, corresponderam-nos, em uníssono, nossos queridos netos: Gabriel, Lucas, Matheus e Larissa.

Nota 1:  entretanto, quando, na frase, a palavra “obrigado” for um substantivo, permanecerá, sempre, no masculino singular, mesmo sendo expresso por uma mulher.

Exemplo:     – Myriam disse: “receba o meu obrigado, ó Deus, por tantos benefícios recebidos durante este ano”.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Nota 2: quando alguém, mesmo mulher, entusiasmada, quiser reforçar o agradecimento, antepondo o advérbio “muitíssimo” à palavra “obrigado”, dizendo: muitíssimo obrigado,  é perfeitamente correto; só não poderá declinar este advérbio “muitíssimo” no feminino; pois, sabe-se, essa categoria de palavras não sofre variações em gênero e número.

Exemplo:    – ela, gentilmente, cumprimentou-nos, dizendo: “muitíssimo obrigada pela ajuda” (e não: “muitíssima” obrigada).

Nota 3: curiosamente, há indivíduos que, sem saberem o sentido exato da palavra “obrigado/a” – que expressa gentileza – substituem-na pelo termo “grato/a”, reconhecendo, apenas, os benefícios recebidos; todavia, nesse raciocínio, não nos declaramos obrigados a retribuir algo, como verdadeiramente expressa o agradecimento “obrigado/a”.

Nosso idioma, sendo um dos mais ricos do Planeta, é natural que as pessoas se deparem com esses impensados equívocos. Verdade seja dita, em linguagem informal (coloquial), não faz muita diferença; porém, na formal (culta), devemos tomar cuidado. Não convém arriscarmo-nos.

Assista, no YOUTUBE, à palestra: “Perturbações Espirituais no Lar” (13:09m), de José Raul Teixeira  –  médium,  Doutorado  em  Física  e  conferencista renomado. É fundador e mantenedor da Obra Assistencial “Remanso Fraterno”, em Niterói, onde são atendidas, gratuitamente, crianças carentes. Nesta brilhante palestra, Raul Teixeira alerta-nos a que deva imperar harmonia e pensamentos elevados, sem discórdias, em nossos lares. Assim, não seremos contagiados por ondas de influências nefastas. Vale a pena ouvi-la e refletir.

Antonio Nazareno FavarinAntonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.