LUZ INFINITA

No Cemitério por Aécio César

É certo reconhecer que muitas pessoas não desejam comentar ou ler matérias em que retrata a morte, como também o assunto aqui em baila. Mas devemos convir que não sou eu que assim o queira.

São relatos advindos das experiências vividas por André Luiz e, se ele assim achou necessário colocar a público, apenas estou seguindo como aprendizado. Assim, haveria no cemitério a mesma paz sentida pelos homens com relação aos espíritos ali desencarnados?

Não. Muita coisa ali corre que a grande maioria não imagina ali acontecer. André Luiz estava no velório de Dimas e agora acompanhava o féretro até o cemitério. Chegando lá André tem várias surpresas.

Mas antes preciso relatar uma citação que com certeza passou de liso aos nossos estudos posteriores a este. Sabemos que a mãe de Dimas – desencarnada – se encontrava presente ao seu velório. Em uma das suas conversas com ele, tirei essa:

“Vim até aqui porque você me chamou, recorrendo à Mãe divina; contudo, não estou habilitada a lhe proporcionar ingresso em meus trabalhos, por enquanto”.

Reconhecemos aqui que a mãe do falecido residia em outras esferas mais quintessenciadas do que aquela em que o filho agora permanecia. Contudo não tirou suas esperanças, dizendo: “…por enquanto”.

Vejamos, enfim o que André visualiza quando chegou no campo-santo:

“Não pude sofrear o espanto que me tomou o coração. As grades do cemitério estavam cheias de gente da esfera invisível, em gritaria ensurdecedora”.

Não é de se admirar para nós, pois sabemos que, com a morte, ninguém vira santo de um dia para outro. Levamos para o túmulo as virtudes e os vícios alimentados na última reencarnação. Aqueles espíritos eram gente.

Sim, apenas destituídos do seu corpo físico, mas não do seu corpo espiritual ou perispírito. Lembrei-me aqui de um espetacular livro do Dr. Inácio Ferreira “Espírito é gente” pela psicografia do médium Carlos A. Baccelli. Vale a pena correr os olhos nesta obra.

Outro espanto de André foi esclarecido pelo mentor espiritual Jerônimo que também seguia a procissão. Está nessa outra citação: Vejamos:

“Nos cemitérios costuma congregar-se compacta fileira de malfeitores, atacando as vísceras cadavéricas, para subtrair-lhes resíduos vitais”.

Sabemos que com a morte do corpo físico, aos poucos a energia que o sustentara por anos vai se dissipando. Se não fora assim, quando o espírito fosse retirado, o corpo entraria em degradação imediata deixando o ambiente bastante fétido. Aspirando o tônus vital antes que evaporasse, esses malfeitores atacavam ali os corpos antes que entrassem em decomposição.

Para esses é um prato cheio, principalmente quando não eram protegidos pelas falanges de luz que acompanhavam determinados espíritos impedindo tal ataque. Está aqui quando um dos malfeitores que estava de olho no corpo de Dimas esbravejou quando disse: “Não adianta! É protegido…”.

Como podemos observar, muita coisa poderia ser salvaguardada se tivéssemos consciência de certos fatos que passam bem longe dos olhos e da compreensão humana quanto à tão “indecifrável” morte.

À medida que vamos analisando outros planos ligados ao nosso, abreviaremos bastante o trabalho que tem amigos e familiares quando recebem no Além os entes queridos, não acha, Leitor Amigo?

Ari RangelAécio Emmanuel César
Médium de psicografia desde 1990, tarefeiro espírita na cidade de Sete Lagoas/MG.

1 Comentário

clique aqui para deixar um comentário

  • obra explendida eu amei ler e quero saber mais eu não sou muito chegada em cemíterio ,mas devemos ter a concencia que este existe,antes estarmos preparados do chegar e ficar vagando no meio das multidões,isto é se não encontrar-mos quem ainda nos aprizione eu amei e quero saber mais obrigada senhor que a sua luz se derrame sobre todos os seus trabalhadores os que fazem de suas obras um canteiro lindo de amor e paz.muito obrigado