ARTE DE ESCREVER BEM

IMPORTÂNCIA DO USO DA CRASE (PARTE IV) POR ANTONIO NAZARENO FAVARIN

CRASE PROIBIDANão usamos crase antes de:

  1. Nomes masculinos.

Exemplos:    – caminhei, a passo lento, até o centro da cidade.

– dormi, a sono solto, durante toda a noite.

  1. Verbos no modo infinitivo.

Exemplos:    – o país poderá melhorar, em todos os sentidos, a partir de uma verdadeira reforma política.

– há anos, comecei a ler os livros da “série André Luiz”.

3. Pronomes de tratamento.

Exemplo: – refiro-me a V. Exª (ou a ela) sobre o andamento do processo.

 

4. Demonstrativos “esta” e “essa”.

Exemplo: – chegamos a esta (ou a essa) conclusão.

 

  1. “Casa”, na acepção de moradia, sem adjetivo que a modifique.

Exemplo: – cheguei a casa muito cedo ontem.

Nota: usar-se-á, porém, crase na preposição “a” antes de “casa” se esta vier acompanhada de um modificador.

Exemplo: – cheguei à casa de meu filho.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

  1. “Terra”, em oposição “a bordo”.

Exemplo: – em 12/01/1883, a bordo do vapor Habsburg, procedente de Gênova (Itália), meu avô paterno chegou a terra, após 30 dias de viagem.

Nota: ocorrerá, entretanto, crase na preposição “a”, antes da palavra “terra”, se esta vier, também, seguida de um modificativo.

Exemplo: – meu avô chegou, com seus pais e irmãos, à terra brasileira.

 

  1. “Distância”, sem especificação.

Exemplo: – fiz diversos cursos a distância.

Nota: havendo, no entanto, qualquer determinante, após a palavra  “distância”, esta será, obrigatoriamente, seguida de “a” craseado.

Exemplo: moro, do centro da cidade, à distância de três quilômetros.

 

  1. Artigos e pronomes indefinidos: “uma”, “umas”, “qualquer, “nenhuma” “alguém”, “outra” etc.

Exemplos:    – ela leu o livro “A Gênese” e chegou a uma boa conclusão.

– perguntei a outra pessoa a que decisão chegou.

 

  1. Não usamos crase, também, na preposição “a” que esteja precedendo substantivos femininos no plural.

Exemplo: – ele parece estar falando a pessoas estranhas.

 

10. Enfim, pelas novas normas ortográficas, vigentes desde 1º/01/2009, tanto a crase como o hífen não são mais empregados em locuções constituídas de repetição da mesma palavra.

Exemplos:  -“frente a frente”, “uma a uma”, “gota a gota”, “face a face”,  “parte a parte”, “ponta a ponta”, “dia a dia”, “cara a cara”.

Nota: Concluímos, neste bloco, o tema sobre o uso da crase. Com o intuito de facilitar mais e mais a compreensão dos temas, tentamos, sempre, recorrer a todos os expedientes didáticos.

Isso constitui mais um desafio a fim de que, com pouco esforço, qualquer um possa fixar todas as particularidades, dirimindo, de uma vez por todas, quaisquer dúvidas sobre o emprego correto desse tão importante sinal gráfico.

Antonio Nazareno FavarinAntonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.