ARTE DE ESCREVER BEM

“Ela Mesmo” ou “Ela Mesma”? por Antonio Nazareno Favarin

Comentário: a palavra “mesmo”, com o sentido de “próprio”, atua como um pronome demonstrativo de reforço, e concorda, sempre, em gênero (masculino ou feminino) e número (singular ou plural) com o sujeito, seja este um pronome ou um substantivo.

Exemplos:  – ela mesma (própria), com a família, fez o “Evangelho no Lar”;

                  – eles mesmos (próprios) distribuíram os agasalhos aos carentes.

Nota: jamais podemos usar a palavra “mesmo”, em suas quatro variações: “o mesmo”, “a mesma”, “os mesmos” e “as mesmas” para substituir um substantivo ou um pronome pessoal.

Exemplo: aborto, pena de morte, eutanásia, estupros, terrorismos e guerras são crimes hediondos e chegará um dia em que eles (e não: “os mesmos”) serão vistos como períodos de barbárie em nossa vivência neste Planeta Terra.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Nota: doravante, ao lermos a famosa frase constante nas placas dos elevadores: “ao entrar no elevador, verifique se ‘o mesmo’ se encontra neste andar”, eliminemos mentalmente o pronome “o mesmo”, nela inserido, e verifiquemos se ele (e não: “o mesmo”) se encontra naquele andar.

Dica importante – aos redatores, concursandos e vestibulandos de quaisquer áreas: a palavra “mesmo” – exemplificada na sequência – assim se classifica gramaticalmente:

– eles trabalham na mesma firma = adjetivo, pois, nesta acepção, pode ser variável em gênero e número, de acordo com o substantivo que o qualifica;

– ela esperava um resultado melhor, mas ficou tudo na mesma = substantivo e é, também, variável, de acordo com aquilo que queremos especificar;

– esta moeda é, mesmo, verdadeira? = advérbio, pois, nesta acepção, é invariável;

mesmo doente, prosseguiu fazendo suas obras de caridade = conjunção;

– nós mesmos estaremos aí hoje à noite = pronome.

Assista, no Youtube, à palestra: “Início do Planeta de Regeneração” (25:36 h de duração), de Divaldo Pereira Franco (91 anos) – médium, renomado orador e escritor de 300 livros psicografados, superando 8 milhões de exemplares, traduzidos em 16 idiomas, cujos direitos autorais foram doados em cartório para a “Mansão do Caminho” e a inúmeras Casas Lares, que fundara em Salvador (BA), dando assistência, diariamente, a 6 mil pessoas na extrema pobreza, e abrigando mais de 3 mil. Já percorreu mais de 50 países, divulgando a Doutrina, em palestras de ampla publicidade; por isso, é denominado o “Semeador de Estrelas”, o “Paulo de Tarso” da Doutrina Espírita.

Antonio Nazareno FavarinAntonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.