BLOG DR INACIO FERREIRA

Desencarnações Coletivas por Dr. Inácio Ferreira

(Fragmentos de uma Reflexão)

* Nem sempre desencarnações coletivas dizem respeito a resgates coletivos.

* Muitas vezes, a falta de mérito espiritual pode nos levar a situações que, redundando em nossa desencarnação, dizem respeito à nossa imperfeição espiritual, e não propriamente a resgate cármico específico, dessa ou daquela falta que tenhamos cometido em existências pregressas.

* Quando um espírito ainda necessite cumprir com determinada tarefa na Terra, iniciando-a ou, então, dando sequência a ela, as Leis Divinas podem se movimentar no intuito de subtraí-lo a situações que o impediriam.

* Muitos espíritos que, na chamada desencarnação coletiva, deixam o corpo, não deixam de beneficiar a Humanidade encarnada, porquanto, a partir do episódio que culminou com o seu desenlace, os homens procuram aprimorar a sua vida social.

* Sabe-se, por exemplo, que, não raro, a desencarnação considerada precoce de um espírito induz o seu grupo familiar a reflexões que possibilitam o seu amadurecimento, o que, em circunstâncias “normais”, talvez, demorasse muito mais tempo.

* A visão que o espírito, enquanto encarnado, possui da chamada morte, é diferente daquela que ele vem a possuir quando se reconhece liberto do jugo da matéria, sendo que o que interpreta por prejuízo pode vir a lhe resultar em lucro.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

* Na maioria das vezes, quando vitimado em situação de violência – exceto se possuidor de determinado grau de lucidez – o espírito requisita tempo mais ou menos longo para conseguir situar-se dentro de sua nova realidade existencial.

* Assim como, na Crosta, as comunidades encarnadas se movimentam para socorrer as vítimas de uma catástrofe, socorrendo a feridos e “mortos”, claro que, do Outro Lado da Vida, as comunidades desencarnadas se colocam em ação para amparar os espíritos recém-chegados, entrando em contato com os seus familiares domiciliados nas mais diferentes regiões do Mais Além para que possam vir ao seu encontro.

* Vale lembrar a resposta que os Espíritos Superiores deram a Kardec, em “O Livro dos Espíritos”, sobre a questão 738-a, falando sobre “Flagelos Destruidores”: – “Nesses flagelos, porém, o homem de bem sucumbe como os perversos; isso é justo?” – “Durante a vida, o homem relaciona tudo ao seu corpo, mas após a morte pensa de outra maneira, e como já dissemos: a vida do corpo é um quase nada; um século do vosso mundo é um relâmpago na eternidade. Os sofrimentos, pois, do que chamais alguns meses ou alguns dias, nada são. Apenas um ensinamento que vos servirá no futuro. Os Espíritos, que preexistem e sobrevivem a tudo, eis o mundo real. (…)”

* Logo a seguir, respondendo à questão de número 738-b: – “Mas as vítimas desses flagelos nem por isso são menos vítimas?”, os Espíritos disseram: – “Se se considerasse a vida por aquilo que ela é, e quanto é insignificante em relação ao infinito, menos importância se lhe atribuiria. Essas vítimas terão numa outra existência uma larga compensação para os seus sofrimentos, se souberem suportá-los sem murmurar.”

* E a questão 739, do livro básico da Codificação: – “Esses flagelos destruidores têm uma utilidade do ponto de vista físico, malgrado os males que ocasionam?”Resposta: – “Sim, eles modificam algumas vezes o estado de uma região; mas o bem que deles resulta não é geralmente sentido senão pelas futuras gerações.”

* Seria, então, de bom alvitre, que os medianeiros em geral, procurassem evitar o oportunismo que certos acontecimentos parecem facultar-lhes, no que tange ao contato com os recém-desencarnados que neles pereceram, em situações que induzem à coletividade humana à comoção, para que, através de sua precipitação, no anseio de auxílio aos que ficaram o Espiritismo não venha a se expor ao ridículo perante a opinião pública.

* Conforme deduzimos, as desencarnações coletivas podem, simplesmente, não passar de experiências coletivas, num orbe de provas e expiações qual é a Terra, em que todos os que nela se encontram encarnados vivem expostos às circunstâncias do meio.

INÁCIO FERREIRA

 

Uberaba – MG, 12 de dezembro de 2016.

Fonte: http://inacioferreira-baccelli.zip.net/arch2016-12-01_2016-12-31.html

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário