BLOG DR INACIO FERREIRA

Como Você Interpreta?! – XXXI por Dr. Inácio Ferreira

No capítulo 37, de “Nosso Lar”, antes de transcrever “A Preleção da Ministra” Veneranda, volta a falar André Luiz sobre a questão do “Bônus-Hora”, sistema de remuneração, que, não sendo propriamente moeda, é “ficha individual, funcionando como valor aquisitivo”. Intrigava-lhe o sistema econômico que prevalecia na cidade espiritual, que havia “banido” o dinheiro como forma de remuneração pelo esforço individual nos serviços prestados à coletividade.

Ele refletia: “Como poderia estar a compensação da hora afeta a Deus? Não era atribuição do administrador espiritual, ou humano, a contagem do tempo?” Notemos, no entanto, que, em qualquer parte da Criação Divina, “a compensação da hora” fica por conta de Deus, que, certamente, não se detém apenas na quantidade de horas trabalhadas, mas, sobretudo, na sua qualidade. Aliás, a questão do “Bônus-Hora” também é tratada por Jesus na Parábola dos Trabalhadores da Vinha, quando o Dono da Casa delibera remunerar os trabalhadores que contratara segundo o Seu critério de avaliação do esforço e do mérito de cada um. Nos versículos de 13 a 15, o Dono da Casa responde aos rebelados: “Toma o que é teu, e vai-te; pois quero dar a este último, tanto quanto a ti. Porventura não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou são maus os teus olhos porque eu sou bom?”

 

 

Conversando com Tobias, André tem oportunidade de registrar novos esclarecimentos sobre o assunto: “Aos administradores, em geral, impende a obrigação de contar o tempo de serviços, sendo justo, igualmente, instituírem elementos de respeito e consideração ao mérito do trabalhador; mas, quanto ao valor essencial do aproveitamento justo, só mesmo as Forças Divinas podem determinar com exatidão. Há servidores que, depois de quarenta anos de atividade especial, dela se retiram com a mesma incipiência da primeira hora, provando que gastaram tempo sem empregar dedicação espiritual, assim como existem homens que, atingindo cem anos de existência, dela saem com a mesma ignorância da idade infantil.” (destacamos)

 

 

Realmente, existem vidas que, perdendo em quantidade, ganham em qualidade, e vidas que ganhando em quantidade, perdem em qualidade. Podemos aqui, citar como exemplo, a vida do missionário Eurípedes Barsanulfo, que, tendo vivido apenas 38 anos no corpo carnal, do ponto de vista espiritual, viveu intensamente, conferindo singular proveito à sua encarnação. E, ainda, citamos o extraordinário exemplo de Chico Xavier, cuja vida, ao mesmo tempo, ganhou em quantidade e qualidade – vivendo 92 janeiros no corpo, realizou uma obra que a grande maioria, talvez, não venha a realizar nem em muitos séculos de existência.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

 

A lição do “Bônus-Hora” deve, sem dúvida, servir-nos de advertência, de vez que, em termos espirituais, o tempo não conta apenas e tão somente pelo correr dos ponteiros do relógio. Muitos espíritas costumam dizer: – Estou há 40, ou há 50 anos na Doutrina!… Como se o muito tempo de estágio na Doutrina lhes conferisse crédito para opinarem a respeito de tudo sempre de maneira acertada, com as suas opiniões tendo que ser acatadas pelos considerados iniciantes. Ora, diante da Reencarnação, nas experiências que nos são conferidas através das Vidas Sucessivas, essa argumentação de “muito tempo na Doutrina” carece de sentido, posto que uma criança possa ser portadora de uma bagagem muito maior que a de um adulto.

 

 

É de se notar, antes que adentremos no conteúdo da preleção de Veneranda, que a sua conferência estava sendo realizada, em grande auditório, de modo INTEIRAMENTE GRATUITOinfelizmente, na atualidade – ah, e como eu me envergonho disso! –, quase todos os grandes Eventos Espíritas estão sendo pagos! E o pior é que alguém é sempre posto à porta deles para impedir a entrada daqueles que não têm dinheiro…

 

Que vexame!…

 

– Você não entra, porque não pagou a inscrição! Você não entra porque não tem dinheiro! Ou você só pode ficar na sala anexa ao grande auditório – não pode ter a visão direta do orador!…

 

Ora, gente, não perca tempo com isso – não participe dessa baboseira. Qualquer orador espírita bem intencionado fala tão bem quanto àquele que possa ser considerado grande tribuno – o que nos deve interessar é a Mensagem da Doutrina a ser transmitida, e não o timbre de voz do fulano ou do beltrano, ou as piadinhas sem graça que ele conta para arrancar aplausos da plateia. Vocês precisam começar a prestigiarem os oradores locais, da cidade ou da região. Os “oradores” que falam de graça, e que não dão maiores despesas aos promotores de um Evento Espírita que a despesa com uma simples hospedagem, um almoço em casa de amigos e, no máximo, o dinheiro gasto com combustível – nada de pagarem hotéis 5 estrelas, nada de passagens de avião, em primeira classe, às custas dos participantes do Congresso, ou do Encontro, nada de carros de luxo para buscar o médium, ou o orador – e, por favor, acabem de vez com as chamadas “Salas Vip”, que são os “Salões do Elitismo”.

 

INÁCIO FERREIRA

 

Uberaba – MG, 30 de outubro de 2017.

 

Fonte: http://inacioferreira-baccelli.blogspot.ae/2017/10/como-voceinterpreta-xxxi-no-capitulo-37.html

Antonio Nazareno FavarinDr. Inácio Ferreira
Blog do Dr. Inácio Ferreria mantido pelo medium Carlos A. Baccelli
Site Oficial: Mediunidade na Internet

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário