BLOG DR INACIO FERREIRA

Como Você Interpreta?! – XXX por Dr. Inácio Ferreira

O capítulo 36 de “Nosso Lar” – “O Sonho” –, sem dúvida, é um dos mais interessantes da Obra – um dos mais reveladores.

André Luiz começa dizendo: “Ao cair da noite, já me sentia integrado no mecanismo dos passes, aplicando-os aos necessitados.” Então, vejamos: André Luiz, que não era espírita – ele não disse, anteriormente, que havia se convertido ao Espiritismo, como, de resto, não diz tal em nenhum dos cinquenta capítulos do livro –, é convidado a cooperar na transmissão de passes aos enfermos internados nas Câmaras de Retificação. Você, amigo/a internauta, não acha curioso que ele, por exemplo, não tivesse, antes, necessidade de frequentar um Curso de Passe, para, formalmente, habilitar-se (ou lhe ser permitido) a cooperar com os doentes recém-chegados do Umbral?!

Conta André que, no outro dia, pela manhã, naturalmente cansado pelas atividades intensas, como médico e médium passista, sentiu necessidade de algum descanso. Não é interessante?! Veja que, em verdade, nas Dimensões Espirituais próximas ao Orbe, o repouso físico ainda é indispensável na reconstituição das energias perispirituais – do perispírito que, deixando de ser perispírito, passa, na Vida do Além, a ser o envoltório externo do espírito, ou, em outras palavras, o seu corpo físico – a discussão em torno de sua densidade, em relação ao corpo carnal, é outro assunto.

Descansando num apartamento de repouso que Tobias lhe disponibilizara ali mesmo, “ao lado das Câmaras”, André, em desdobramento, vai ao encontro de sua mãe, ou seja: “sonha” com ela, que se encontrava domiciliada em Dimensão Superior. Notemos o que ele diz: “Eu sabia, perfeitamente, que deixara o veículo inferior no apartamento das Câmaras de Retificação, em ‘Nosso Lar’, e tinha absoluta consciência daquela movimentação em plano diverso. Minhas noções de espaço e tempo eram exatas.” André Luiz, pois, ao referir-se ao perispírito como “veículo inferior”, experimentara um sonho lúcido. Curioso, ainda, ele afirmar, em parágrafo anterior, que estava sendo “acompanhado” por um “barqueiro” silencioso, extasiando-se ele com as “magnificências da paisagem”, enquanto “subia”…

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

Ainda vamos gastar muito tempo até que, mentalmente, solucionemos em nós essa sensação direcional de “alto” e “baixo”, “direita” e “esquerda”, etc, no Universo! Por que André tinha a sensação de um movimento ascensional?! – “Parecia-me que a embarcação seguia célere, não obstante os movimentos de ascensão.” Em realidade, o que pode ser classificado de “ficar acima”, ou de “ficar abaixo”, na Criação Divina?!

Tendo deixado o perispírito em “Nosso Lar”, em que corpo André se projetara para fora dele?! Num outro perispírito?! No chamado “corpo mental”?! Afinal, quantos corpos espirituais nós possuímos?! No livro “Evolução em Dois Mundos”, em uma das várias notas de rodapé, André Luiz escreveu: “As expressões ‘Plano Físico’ e ‘Plano Extrafísico’, largamente usadas nestas páginas, foram utilizadas por nós, à falta de termos mais precisos que designem as esferas de evolução para os espíritos encarnados e desencarnados, pertencentes ao ‘habitat’ planetário.” Com o devido respeito, lhes perguntamos: como você interpreta esta nota de rodapé?! Enfim, não lhes parece que Mundo Material e Mundo Espiritual são quase tão somente uma questão de terminologia?! Ou será que estou avançando muito?!…

Apenas a título de informação, esclarecemos que Chico Xavier afirmava, com a Teosofia, e outras filosofias orientais, que, de fato, são sete os nossos corpos espirituais. Disse mais: segundo ele, o único livro da literatura espírita em que lhe fora possível ler algo a respeito é “Romance de Uma Rainha” (publicado, pela FEB, em dois volumes), de Rochester, que, os mais ortodoxos, consideram, inclusive, antidoutrinários.

As palavras da mãezinha de André, a ele dirigidas, são um verdadeiro primor de beleza espiritual – uma verdadeira síntese da mais alta sabedoria. E ela, atente-se, também não fora espírita quando encarnada. Notemos como o amor no coração confere natural sabedoria ao espírito, enquanto que o conhecimento, por si só, por vezes, nada mais confere ao espírito a não ser certa quantidade de informações.

Entre tantas palavras belas e sábias que a sua mãe lhe diz, escolhemos: “Deus nos vê e acompanha a todos, desde o mais lúcido embaixador de sua bondade, aos últimos seres da Criação, muito abaixo dos vermes da Terra.”
Não se trata para nós outros de um consolo, que nos sabemos colocados “… muito abaixo dos vermes da Terra”?!…
Ah, desculpem-me! Eu sei que muita gente se imagina muito acima das estrelas!…

INÁCIO FERREIRA

Uberaba, 23 de outubro de 2017.

Fonte: http://inacioferreira-baccelli.blogspot.ae/2017/10/como-voce-interpreta-xxx-o-capitulo-36.html

Antonio Nazareno FavarinDr. Inácio Ferreira
Blog do Dr. Inácio Ferreria mantido pelo medium Carlos A. Baccelli
Site Oficial: Mediunidade na Internet

---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário