BLOG DR INACIO FERREIRA

Como Você Interpreta?! – LV por Dr. Inácio Ferreira

Concluindo as nossas reflexões sobre o capítulo 49, de “Nosso Lar”, reflexões que temos efetuado com os irmãos internautas que nos auxiliam o raciocínio, depreendemos que, de fato, a Sabedoria de Deus se patenteia não consentindo que encarnados e desencarnados, mormente os pertencentes ao mesmo grupo consanguíneo/afetivo, não estejam sempre em contato, pois, realmente, não lograriam suportar a realidade, ante os novos caminhos que uns e outros são chamados a trilhar, em obediência às suas necessidades de aprendizado.

 

Vejamos o caso de André Luiz:

 

– a esposa, Zélia, havia contraído novo matrimônio;

 

– a filha mais nova ironizava as saudades que a primogênita estava sentindo do pai, desencarnado há mais de dez anos;

 

– o seu único filho varão, praticando “loucuras” pela cidade…

 

Eis o que, com as suas próprias palavras, ele nos diz: “Angústias e decepções sucediam-se a tropel. Minha casa pareceu-me, então, um patrimônio que os ladrões e os vermes haviam transformado. Nem haveres, nem títulos, nem afetos! Somente uma filha ali estava – a primogênita – de sentinela ao meu velho e sincero amor”.

 

E carecemos de considerar que André Luiz, teria sido um homem devotado à família, que, ao que tudo indica, ainda sobrevivia a expensas do patrimônio material que ele lhe havia deixado. Contudo, em seu primeiro dia de sua visita ao lar – ele conseguira uma semana para tanto –, aliás, em suas primeiras horas, fora o suficiente para que registrasse: “Nem os longos anos do sofrimento, nos primeiros dias de além-túmulo, me haviam proporcionado lágrimas tão amargas”.

 

Como o homem encarnado carece de se exercitar no campo do desapego, notadamente no que ele, habitualmente, imagina ser sua propriedade!…

 

Outro fato digno de destaque é a visita que o Ministro Clarêncio lhe faz à noitinha. Percebendo o abatimento em que o amigo se encontrava mergulhado, Clarêncio não se dirigiu a ele com palavras de adulação – não o abraçou qual estivesse abraçando a vítima de uma ingratidão familiar. Sem meias palavras, o Ministro foi curto e grosso ao lhe dizer:

 

“Compreendo suas mágoas e rejubilo-me pela ótima oportunidade deste testemunho! (Vale a repetição, com destaque: “… rejubilo-me pela ótima oportunidade deste testemunho!) Não tenho diretrizes novas. Qualquer conselho de minha parte, portanto, seria intempestivo. Apenas, meu caro, não posso esquecer que aquela recomendação de Jesus para que amemos a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, opera sempre, quando seguida, verdadeiros milagres de felicidade e compreensão, em nossos caminhos”.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

A hora do testemunho, que, em geral, sempre tememos, na palavra de Clarêncio é sempre ótima oportunidade de autossuperação…

 

E, no caso de André Luiz, era a de entender que a sua família não se resumia àqueles quatro corações queridos, que ele, depois de mais de dez anos, estava logrando visitar!…

 

No último parágrafo do referido capítulo, André escreveu magistralmente – após ouvir rapidamente a Clarêncio:

 

“Preciso era, pois, lutar contra o egoísmo feroz. Jesus conduzira-me a outras fontes.”

 

Sinceramente, sabedor como sou de que nada acontece antes do tempo devido, principalmente no campo das bênçãos que descem de Mais Alto sobre os homens na Terra, ponho-me, neste instante, a pensar se, em verdade, os homens, e, no caso, principalmente, os espíritas, estariam, de fato, preparados para receberem uma obra tão esclarecedora/reveladora como é “Nosso Lar”?!…

 

 O que você acha, amigo (a) internauta?!…

 

Sobre a Terra, um mundo ainda de tanta indiferença espiritual pela Vida, algum espírito seria capaz de chegar às conclusões alcançadas por André Luiz, o nosso eminente Dr. Carlos Chagas, um dos maiores humanistas do século?!…

 

Sei não…

 

Tenho quase a impressão de que, no que tange à Obra Mediúnica de Chico Xavier, pérolas foram atiradas aos porcos, que, a confundi-las com farelo, as andam fuçando…

 

E, no caso, os suínos somos nós, encarnados e desencarnados, os que receberam um nome na “pia batismal”, e, em qualquer circunstância, não se avexam de assumi-lo, e os que, a pretexto de humildade, não têm sequer coragem de decliná-lo…

INÁCIO FERREIRA

 

Uberaba – MG, 30 de abril de 2018.

 

Fonte: http://inacioferreira-baccelli.blogspot.ae/2018/04/como-voceinterpreta-lv-concluindo-as.html

Antonio Nazareno FavarinDr. Inácio Ferreira
Blog do Dr. Inácio Ferreria mantido pelo medium Carlos A. Baccelli
Site Oficial: Mediunidade na Internet
---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.