BLOG DR INACIO FERREIRA

Como Você Interpreta?! – LIV por Dr. Inácio Ferreira

O capítulo 49 – “Regressando a Casa” –, é o penúltimo dos 50 capítulos de “Nosso Lar”. Nele, de maneira sintética, o autor narra as suas surpresas de espírito, quando, depois de quase dez anos no Mundo Espiritual, tem oportunidade de rever a família na Terra.

Durante uma semana, André, despedindo-se de Dona Laura, permaneceria em visita à família consanguínea, domiciliada no Rio de Janeiro.

 

Logo nos primeiros parágrafos, o autor espiritual fala de sua emoção ao rever Zélia, a esposa, que, então, se mostrou insensível ao seu espontâneo gesto de amor. Ela estava conversando com um cavaleiro, médico, que havia ido ver a Ernesto, o seu segundo esposo, que estava acamado, acometido de grave enfermidade nos pulmões.

 

A constatação de André é uma lição a quantos consideram que os seus afetos, por mais queridos, sejam sua propriedade. Afinal, Zélia não parecia ser a “alma gêmea” de André Luiz, porque as “almas gêmeas”, com raras exceções, costumam ser fieis àqueles que demandam o Mais Além…

 

Zélia chorava, dizendo ao médico que cuidava de Ernesto que não haveria de suportar uma segunda viuvez. E André registra nas páginas do livro:

 

“Um corisco não me fulminaria com tamanha violência. Outro homem se apossara do meu lar. A esposa me esquecera. A casa não mais me pertencia. Valia a pena ter esperado tanto para colher semelhantes desilusões? Corri ao meu quarto, verificando que outro mobiliário existia na alcova espaçosa. No leito, estava um homem de idade madura, evidenciando melindroso estado de saúde. Ao lado dele, três figuras negras iam e vinham, mostrando-se interessadas sem lhe agravar os padecimentos.”

 

Além de tudo, Zélia se consorciara com um homem de espírito comprometido com entidades infelizes que se valiam de seu estado de debilidade para vampirizá-lo, concorrendo para o seu desenlace.

 

André, desde que desencarnou, mantivera-se na expectativa de um dia, poder reencontrar a companheira, que supunha ser a metade de sua alma…

 

Quantas surpresas reservam-se ao espírito na desencarnação?! Convém, pois, que todos nós estejamos sempre preparados para enfrentar os próprios equívocos… André, na juventude, pressionado pela família, renegara o amor de uma jovem serviçal de sua casa, e agora, talvez, consorciando-se por conveniência social, sentia-se abandonado!…

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

A Lei de Causa e Efeito é inexorável, e, no espaço e no tempo, não poupa a espírito algum.

 

Os filhos de André, igualmente, quase que já o haviam esquecido, a não ser pela filha primogênita, que, naquele dia, começara a pensar no pai desencarnado. Zélia, no entanto, repreende a filha – simplesmente por mencionar a memória de André, ela repreende a filha! Positivamente, Zélia não era a “alma gêmea”, ou, pelo menos, a alma de afinidade com os seus mais elevados sentimentos.

 

Zélia, ao repreender a filha mais velha, diz o que André, amargamente, pode escutar:

 

“(…) Já proibi a vocês, terminantemente, qualquer alusão nesta casa, a seu pai. (…) Já vendi tudo quanto nos recordava aqui o passado morto; modifiquei o aspecto das próprias paredes, e você não me pode ajudar nisso?”

 

André, em sua própria casa, era considerado um “passado morto”!…

 

Para inteirar, a filha caçula de André lança acusações sobre a irmã por se interessar pelo “maldito”Espiritismo, negando que os mortos pudessem voltar a Terra.

 

– Onde já se viu tal disparate? Essa história dos mortos voltarem é o cúmulo dos absurdos!

 

Convém, pois, a vocês que ainda vão morrer prepararem-se, não tanto para as surpresas de além-túmulo, mas para um melhor conhecimento próprio, junto àqueles que, infelizmente, revelam-se de espírito tão pequeno.

 

Zélia, sem dúvida, tinha todo o direito de consorciar-se com Ernesto – afinal, já amargara muito tempo de solidão afetiva, na condução solitária dos destinos da família, para o que ela se revelara frágil. Todavia, ela não necessitava, praticamente, de exorcizar a memória do ex-marido, pai de seus três filhos, que, pelo menos, lhe deixara o teto sob o qual passara a viver com outro companheiro.

 

INÁCIO FERREIRA

 

Uberaba – MG, 23 de abril de 2018.

 

Fonte: http://inacioferreira-baccelli.blogspot.ae/2018/04/como-voceinterpreta-liv-o-capitulo-49.html

Antonio Nazareno FavarinDr. Inácio Ferreira
Blog do Dr. Inácio Ferreria mantido pelo medium Carlos A. Baccelli
Site Oficial: Mediunidade na Internet
---------- Publicidade ---------- ---------- Publicidade ----------

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário