ARTE DE ESCREVER BEM

“Cheguei em São Paulo” ou “Cheguei a São Paulo”? por Antonio Nazareno Favarin

Correto: CHEGUEI A SÃO PAULO.

Comentário: os verbos que expressam movimento:  “chegar, levar, vir”, entre outros, regem as preposições “A” ou “AO”.

Exemplos: – eles foram (pretérito do verbo ir) a Ubatuba passar o final de semana;                   – levei meus filhos à escola (e não “na”).

Obs.: entretanto, a preposição “em”, citada na expressão acima, é utilizada nestes dois casos:

a) com verbos de movimento e que indicam tempo. Exemplo: voltaremos em meia hora;

b) com verbos estáticos, representados por “morar, permanecer, estar, ser, ficar”, entre outros. Exemplo: morávamos na Rua Carlos Weber – e  não  “à  Rua Carlos Weber”.

  1. “Ela preferiu ir do que ficar” ou “Ela preferiu ir a ficar”?

Correto: ela preferiu ir a ficar.

Comentário: o verbo “preferir” é transitivo direto e indireto e, pela norma culta, rege a preposição “a”.

Exemplos: – prefiro ir ao campo à praia;

– prefiro o certo ao duvidoso;

– é preferível lutar a morrer ingloriamente.

Contudo, a construção “preferir do que”, mesmo não sendo tolerada na boa comunicação, continua sendo usada na linguagem coloquial; porém, nestes casos, não ocorre comparação, pois o verbo “preferir” expressa uma escolha.

Exemplo: prefiro comer salgadinhos do que doces.

✉ Fique Atualizado!



Rádio On-line Vivência Espírita

  1. “Onde ele se dirigiu” ou “Aonde ele se dirigiu”?

Correto: aonde ele se dirigiu.

Comentário:

a) o advérbio “aonde” é usado com verbos que indicam movimento e são regidos pela preposição “a”.

Exemplo: voltaremos aonde iniciamos nosso caminho.

b) o advérbio “onde” é utilizado com verbos estáticos (indicados acima).

Exemplo: Pedro Leopoldo é a cidade onde nasceu Chico Xavier.

Obs.: devemos  evitar  o uso do advérbio “onde” quando não se refere a um espaço físico. Nesses casos, substituamo-lo por “em que”.

Exemplo:  nestes  textos,  em  que  (e  não  “onde”) são  inseridas  noções  pragmáticas, coerentes e atualizadas da Língua Portuguesa, há um bom aproveitamento pelo público em geral.

 

Antonio Nazareno FavarinAntonio Nazareno Favarin
Professor de Português, Revisor de livros de São José dos Campos-SP.

Adicionar Comentário

clique aqui para deixar um comentário